Revista Rua Grande n. 1

Resenhas Mar 29, 2020

A revista Rua Grande é um projeto editorial do coletivo Polifemo, onde se publica poesia de autores contemporâneos e independentes. O primeiro número tem por tema "Poesia e Drogas" e conta com a participação de Akemi Korosu, Gabriel Kolymiak, Matheus Bueno, Wagner Corsário, Juliana Bruno, Bruna Weidt, Samael, Ana Maria Isabell, Luiz Rupestre e Seraphim Pietroforte. A revista ainda trás poemas dos convidados especiais Ricardo Escudeiro, Jeanine Will, Roberto Bicelli, Ademir Assunção, Lu Venegas e Jaa Torrano.

A relação entre a arte e as drogas tem talvez seu grande representante em Dionísio (ou Baco), cujos festejos religioso regados a vinho e música, além do teatro, são os espaços do "religar" com o divino. Uma relação numinosa. Não a toa muitos ritos religiosos utilizam as substâncias que alteram a mente como o caminho desta relação entre humano e divino.

Mas não é bem esse tipo de relação que a edição 1 da revista evidencia. De Baudelaire aos Beats, à multidão das raves à solidão do quarto, as drogas perpassam outros espaços, e se tornam também um fim em si mesma. Quer você seja adepto delas (ou de uma delas) ou não, as drogas fazem parte de recreações, processos terapêuticos, problemas sociais, mediando e criando novas formas de relações interpessoais, intrasubjetivas, e, por que não, com o sagrado.

introdução ao cachimbo de JHWH

‌‌...et quieuit… GÊN.I,8.
Eu fumei céu e terra em seis deuses.
O primeiro cachimbo se chamou Phalos. O segundo Thálassa, porque lembravam pelo formato ou espírito essas coisas.
No terceiro mês, adquiri o cachimbo Magnus, cuja presença era enorme, e dele extraí plantas e árvores.
No quarto mês, extraí dele o sol, a lua e as estrelas.
No quinto, porque não tive cuidado com o preferido, ele começou a feder & eu chamei-o de Magnus Filius Putae.
No sexto, ganhei o cachimbo José, que foi o meu companheiro protéico & por fim tornou-se homem. E no sétimo dia eu me cachimbo & descanso, - enquanto a fumaça se faz fructum arboris scientiae boni; e se comeres deste fruto, morrerás.

‌(Jaa Torrano)

Juliet Rodrigues

Reticências, interrogações e gestos afobados.